Refino

O artista peneira 100 quilos de açúcar sob um móvel durante 4 horas numa ação contínua e repetitiva. O açúcar como material orgânico e a força de trabalho como compulsoriedade compõem uma ação escultórica que rememora a permanência da chaga colonial e seus sistemas de exploração. Após todo o açúcar ser peneirado, como uma alusão ao ato de refinar, todo o material cede por meio de um orifício aberto no tampo da mesa soterrando parte do corpo do artista.

A ação foi apresentada inicialmente no Festival de Performance da Luz (2016), em São Paulo, e depois no Festival Performe-se (2017), em Vitória.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s